Brainstorming: o que é, como fazer e como usá-lo a seu favor

A técnica do brainstorming, também conhecida como chuva de ideias ou tempestade mental, foi criada na década de 40 pelo publicitário norte-americano Alex Osborn. Atualmente, ela é uma das mais usadas no mundo para estimular a criatividade das pessoas e de equipes para encontrar soluções inusitadas para qualquer tipo de problema.

Contudo, por ser utilizada de várias formas e por diversas áreas, como para apoiar a inovação das empresas ou encontrar boas soluções para problemas, o brainstorming passou a ter suas regras fundamentais ignoradas e, por isso, a perder seu potencial de agregar novas formas de resolver problemas.

Quer saber se você já infringiu algumas das regras fundamentais de brainstorming? Como fazer uma boa reunião e o que evitar no pós-reunião? Então confira abaixo cada um dos tópicos para não errar nas seções de brainstorming.

Conheça as 4 regras de ouro do brainstorming

Não critique as ideias

A regra mais importante de uma reunião de brainstorming é não censurar, criticar ou julgar a ideia das pessoas. Na prática isso significa dar autonomia para que elas digam qualquer coisa, até mesmo as mais absurdas. É importante lembrar que risadas, piadas, conversas paralelas ou alguns tipos olhares podem inibir as pessoas.

Uma boa estratégia é fazer um combinado no início da reunião determinando que nenhuma ideia será censurada, que todas as conversas obedecerão a dinâmica da reunião e que nenhum comentário será feito com pessoas que não participarem dela. Isso fará com que todos se sintam mais livres para pensar, sabendo que não serão criticados nem na reunião, nem após ela, por causa de suas ideias.

Gere grandes quantidades de ideias:

A segunda regra está relacionada ao objetivo da reunião que é gerar muitas ideias para poder encontrar as melhores alternativas para resolver um problema. Por isso, incentive as pessoas a terem várias ideias, a pensarem em variações destas ideias e a criarem planos alternativos.

O único cuidado é que as ideias devem estar relacionadas ao problema específico, mesmo que minimamente. Logo, peça para que as pessoas levem isso em consideração, caso contrário a reunião terminará com muitas ideias, mas com poucas que de fato ajudem na resolução do problema.

Construa uma perspectiva diferente a do outro

Uma boa seção de brainstorming reúne uma equipe multidisciplinar e com capacidade de analisar o tema sobre diferentes perspectivas. Desta forma, uma visão sobre o assunto pode ser complementada por outra, uma ideia, pode ser melhorada por outra.

Há que se prevenir, no entanto, que a visão de uma pessoa se sobreponha a outra. O ideal é que ao término da reunião a equipe tenha criado a melhor solução para o problema e não que selecione aquela ideia que mais agrada determinada pessoa ou aquela que todos entendem não serem boa, mas que acabam cedendo por causa da eloquência do interlocutor que a defende.

Incentive ideias exageradas

Ideias exageradas e irrealizáveis são ótimas para estimular a equipe. Elas podem ser entendidas como aquelas que poderiam ser viabilizadas, mas que sua empresa ou equipe não possui a capacidade ou os recursos necessários para colocá-la em prática naquele momento. Lembre-se de manter o foco no problema e não criticar ou ironizar as ideias exageradas, pois elas podem ajudar a estabelecer uma resolução ideal.

Aprenda como fazer uma reunião de brainstorming

Agora que você já conhece as 4 regras fundamentais é importante definir os 7 passos estratégicos de uma reunião de brainstorming:

Defina o problema

Toda reunião deve ter apenas um problema específico. Por isso, antes mesmo de convocar a reunião é importante pensar qual é o problema e quais são as suas causas e seus efeitos. Essa separação de efeitos e causas é importante, pois, caso contrário, você poderá encontrar uma boa resolução que elimine temporariamente o efeito de um problema e não a sua causa, o que geraria mais problemas, ainda que diferentes, no futuro.

Estabeleça tempo e lugar

Grandes empresas, como o Google e o Facebook, costumam utilizar jardins e ambientes abertos para realizar esse tipo de reunião, por considerarem mais inspiradores para as pessoas. O ideal é determinar um local tranquilo, agradável e que seja capaz de desinibir as pessoas.

Ter um tempo máximo determinado também ajuda a criar urgência nos participantes para gerar e apresentar suas ideias. Ao não determinar prazos, em vez de ajudar a criatividade, você acaba favorecendo a dispersão e a perda de foco.

Convide os participantes

Contar com um grupo entre 5 e 10 colaboradores de diferentes áreas da empresa é uma boa prática para manter o foco dos participantes, sem restringir demais a expertise e experiência das pessoas.

Eleja um facilitador

É normal, principalmente nas primeiras reuniões, que existam conflitos de ideias e divergências entre os participantes. Por isso, eleger uma pessoa para intermediar os conflitos, ditar o ritmo da reunião e fazer com que as regras de ouro não sejam violadas é fundamental.

Respeite a individualidade

O objetivo da reunião é ter uma grande quantidade de ideias, com diferentes visões sobre um mesmo assunto, por isso, o primeiro passo é a criação individual de ideias. Cada participante deve escrever uma ou mais sugestões de como resolver o problema.

Nesta etapa, deve-se evitar duas coisas: que a pessoa não escreva o que pensou, pois o exercício de escrever a faz melhorar a forma como transmitirá a ideia e que não haja esse momento de redação, indo direto para o de coleta, pois as pessoas podem se sentir inibidas ou perder a coerência daquilo que estavam pesando.

Colete as ideias

É importante que todas as pessoas tenham acesso fácil às ideias que foram geradas individualmente, por isso, utilize algum meio para anotar uma síntese de cada ideia. Neste caso, o próprio facilitador ou as pessoas podem escrevê-la.

Deve-se evitar que na fase de coleta as ideias dos participantes sejam deturpadas. Contudo, também é importante eliminar as ideias duplicadas para agilizar o processo de análise.

Analise qual é a mais viável

Agora basta debater para chegar à ideia que será posta em prática. O último cuidado é para não eleger ou votar em ideias, mas chegar a uma solução que de fato seja entendida pelo grupo como a melhor alternativa para a resolução do problema.

Saiba o que não fazer no pós-reunião

Existem três coisas que devem ser evitadas no pós-reunião de brainstorming:

  • comentar sobre as conversas e ideias que foram descartadas, pois isso pode inibir a criatividade das pessoas em reuniões futuras;
  • piadas sobre a postura ou as ideias dos participantes, ainda que seja entre o grupo, também devem e podem ser evitadas;
  • não viabilizar a ideia selecionada pelo grupo é o terceiro fator a ser evitado, pois gera tira a credibilidade do exercício e cria resistências para futuros convites.

Agora que você já conhece o que é e como fazer, consegue lembrar se da última vez que participou de um processo de brainstorming? Deixe um comentário contando um pouco mais sobre essa sua experiência!

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

topo