Como ter uma estratégia empresarial inovadora e focada em resultados

Dispor de uma estratégia empresarial consistente, que demonstre com clareza como um negócio pode sair de determinado estágio e chegar até um patamar mais elevado, deve ser prioridade para a gestão de qualquer organização. Afinal, com mudanças cada vez mais rápidas e significativas na sociedade como um todo, as empresas são colocadas diariamente à prova. Nesse sentido, criar um ambiente favorável à inovação, que realmente traga resultados positivos, torna-se um dos maiores desafios para os empreendimentos modernos. Mas a missão definitivamente não é impossível! Quer saber como desenvolver uma estratégia empresarial inovadora e focada em resultados? Então acompanhe:

A organização como base para o topo

A verdade é que a organização empresarial é requisito básico para que qualquer negócio cresça. Então vale aprender, desde já, que não basta o empreendimento estar em dia com os trâmites burocráticos, como documentações e tributos. Ter um modelo de gestão devidamente estruturado e conhecido por todos dentro da companhia é essencial. Quando não há cargos definidos e processos estabelecidos, cria-se um ambiente de incerteza e de dispersão nada ideal para a produtividade, a motivação e, claro, os resultados. Para evitar que isso ocorra no seu negócio é que entra a organização empresarial. E a lógica por trás do conceito é inquestionável: ao organizar os diversos recursos da empresa, a direção proporciona uma base sólida para seu desenvolvimento. Simples assim.

E se a empresa não nasceu com um modelo de gestão já estruturado, passa a ser necessário fazer uma reavaliação interna completa. Definir missão, visão e valores do negócio já pode ser um bom começo. Além disso, definir objetivos estratégicos e criar processos e cargos que atendam aos propósitos da companhia são outros caminhos para se chegar à organização empresarial. Geralmente, contrata-se serviços de consultoria externa para a reformulação ou até mesmo para a elaboração da organização da empresa. Pode ser uma boa pedida.Watch movie online John Wick: Chapter 2 (2017)

A importância das pessoas no processo

O processo de organização empresarial passa diretamente pela participação das pessoas, abrangendo de colaboradores operacionais a altos gestores. Afinal, de que adianta criar processos modernos, horizontais e eficientes, se eles não são seguidos à risca, não concorda? Nesse sentido, a capacitação dos profissionais da empresa (seja por meio de treinamentos on-line, externos ou in company) possui grande importância. E isso se dá não só pela consequente melhora na qualidade dos produtos ou serviços oferecidos pela organização, mas também pela motivação proporcionada aos colaboradores, automaticamente aumentando as chances de engajamento com a empresa. E fato é que a participação efetiva dos funcionários no ambiente organizacional muitas vezes se traduz em relevantes sugestões de inovação.

A eficiência da estratégia empresarial

Com a empresa internamente organizada, logo aumentam as condições de alcance de seus objetivos estratégicos. A partir desse estágio, é como se o negócio tivesse todas as engrenagens devidamente lubrificadas e engatadas. Com a capacidade produtiva em pleno funcionamento, cabe à empresa definir os rumos que pretende tomar. E para trilhar justamente o percurso que a levará ao sucesso, a definição de uma estratégia empresarial é de suma importância.

Podemos dizer que a gestão de uma empresa deve responder basicamente a três perguntas: onde estamos, para onde queremos ir e como vamos chegar lá? Se a primeira questão está ligada ao diagnóstico e a segunda ao planejamento estratégico e à definição de metas, a terceira diz respeito exatamente à estratégia empresarial. O como fazer consiste, portanto, no conjunto de métodos, técnicas e práticas que a empresa utilizará para conquistar seus propósitos. E para que seja realmente eficiente, a estratégia deve ser embasada na produtividade, na qualidade e na lucratividade.

A inovação como propulsora do crescimento

Como já mencionamos anteriormente, não é nenhum segredo que vivemos em um mundo de rápidas e ao mesmo tempo profundas mudanças. E é por isso que, no contexto atual, o ciclo de vida de um produto (composto pelas fases de introdução, crescimento, maturidade e declínio) é cada vez mais apressado. Logo, se a empresa não desenvolve uma política efetiva de incentivo à inovação, acaba correndo o risco de se tornar obsoleta. De fato, na história do mundo corporativo, não faltam exemplos de organizações que simplesmente deixaram de existir pela substituição dos produtos ou serviços que ofereciam.

Por essas e outras, mesmo que o negócio esteja em pleno crescimento hoje em dia, a gestão deve promover internamente a inovação. Lembre-se, afinal, de que a arrogância pode ser o carimbo no passaporte para o declínio empresarial. Que tal um exemplo? pense bem: por mais que, atualmente, o petróleo ainda seja utilizado em grande quantidade como fonte de energia, cada vez mais se vê a promoção do uso de fontes mais sustentáveis. Isso quer dizer que, nos próximos anos, o mercado automotivo sofrerá transformações em grande escala (não só com os carros elétricos, mas também com toda a cadeia de manutenção e de produção de peças). E se um líder tem conhecimento dessas previsões, precisa elaborar um plano de ação o quanto antes, já que a omissão pode representar o fim da empresa no futuro.

Com tudo isso em mente, para assegurar a saúde financeira e a permanência da organização no mercado, uma política efetiva de inovação deve fazer parte da estratégia empresarial. Para tanto, a companhia precisa criar um ambiente realmente inovador, seja por meio dos departamentos de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) ou por canais de sugestões de melhorias que envolvam a participação de colaboradores, fornecedores, acionistas e até dos próprios clientes. Vale destacar que todo trabalho de inovação deve ser documentado e mensurado (por intermédio de indicadores) para que seja possível acompanhar de perto os resultados. Só assim a empresa pode realmente medir o ganho de vantagens competitivas ou fazer eventuais ajustes em tempo hábil.

A Elektro como case de sucesso

Um ótimo exemplo de que a organização empresarial não é mero formalismo é o caso da distribuidora de energia elétrica Elektro, com sede em Campinas, no estado de São Paulo. A empresa foi agraciada pela terceira vez consecutiva (2013, 2014 e 2015) com o prêmio Great Place to Work, consagrando-a como a melhor empresa para se trabalhar no país na categoria de organizações com mais de mil colaboradores. O presidente da Elektro, Márcio Fernandes, destaca que o reconhecimento demonstra a busca constante do negócio por inovação. Como ele mesmo diz, “manter-se no topo é mais difícil que conquistá-lo. Deixamos de lado o modelo de gestão tradicional e criamos uma nova filosofia de gestão. Acreditamos, praticamos, melhoramos e compartilhamos sempre e tudo”.

Em entrevista à Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), o presidente da Elektro salientou que o modelo de gestão da empresa considera que felicidade gera resultado, já que colaboradores satisfeitos podem alcançar melhores desempenhos. Quanto à inovação, a Elektro possui uma rede social interna chamada Conecta, por meio da qual os colaboradores podem sugerir melhorias e trocar experiências. A empresa destaca que, como enxerga as pessoas como protagonistas, cultiva uma filosofia de gestão baseada na confiança e na transparência.

E a estratégia empresarial do seu negócio, por acaso privilegia a participação da equipe para gerar inovação e resultados? Conte sua experiência nos comentários aqui do blog e participe da conversa!

 

Um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

topo